Últimas Notícias

Compartilhe

PF pede adiamento do interrogatório de Lula em ação sobre o triplex

botucatublogger | 20:55 | 0 comentários

Audiência está marcada para 3 de maio, na sede da Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.


Por G1 PR, Curitiba

A Polícia Federal (PF) pediu o adiamento do interrogatório do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva na ação penal que envolve o triplex em Guarujá. A audiência está marcada para as 14h de 3 de maio, na sede da Justiça Federal do Paraná, em Curitiba.

O pedido foi assinado pelo superintendente da PF no Paraná, delegado Rosalvo Ferreira Franco. No documento, ele diz que precisa solicitar "mais tempo para realizar as tratativas com os órgãos de segurança e de inteligência para audiência que será realizada".

Agora, cabe ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, autorizar o adiamento.

Foto: (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Lula comentou a possível transferência de datas durante um seminário do Partido dos Trabalhadores, realizado em Brasília nesta segunda-feira. Ao sair da sala, foi questionado pela imprensa sobre o pedido da Polícia Federal (PF) para que seja adiado o interrogatório dele na ação penal sobre o tríplex em Guarujá seja adiado. “Não é problema meu”, limitou-se a responder.

Durante o discurso, afirmou que não vai deixar de comparecer, independente da data. "A hora que for marcado o meu depoimento, eu estarei em Curitiba ou onde quer que seja. Dentre todos quem deseja a verdade é o companheiro Lula. Eu tenho direito de falar, porque faz três anos que eu estou ouvindo. Agora, parece que a grande prova contra mim é um pedágio. Estou muito tranquilo, não estou preocupado com a data", disse.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, também se manifestou sobre o pedido. "Estamos aguardando a decisão do juiz de primeiro grau diante do pedido da PF. O ex-Presidente Lula está pronto para prestar o seu depoimento no dia 3 de maio ou em qualquer outra data marcada", disse em nota.

Tríplex

O processo em questão trata do suposto pagamento de propina por parte da OAS ao ex-presidente Lula. Na ação penal, o Ministério Público Federal (MPF) diz que a construtora entregou ao político um imóvel no Guarujá, litoral paulista, em troca de supostos serviços prestados por ele para beneficiar a empresa.

O imóvel, no entanto, não tem escritura em nome do ex-presidente e, no papel, ainda pertence à OAS. Em depoimento, o ex-presidente da empreiteira, José Aldemário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, disse que o triplex em Guarujá nunca foi colocado à venda pela OAS. "Eu tinha uma orientação para não colocar à venda, que pertenceria à família do ex-presidente".

Segundo ele, a orientação foi passada pelo ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto e pelo presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto. “A orientação que foi me passada naquela época foi ‘toque o assunto do mesmo jeito que você vinha conduzindo. O apartamento não pode ser comercializado, o apartamento continua em nome da OAS, e, depois, a gente vai ver como fazer a transferência ou o que for’”. De acordo com Pinheiro, assim foi feito.

A defesa do ex-presidente diz que o imóvel nunca foi transferido para ele ou para alguém da família e nega qualquer irregularidade junto à OAS.

Category:

0 comentários

Ultimas Notícias

Loading...