Últimas Notícias

Compartilhe

Candidatos chegaram na sexta-feira na Diretoria de Ensino.
Ao todo são 62 vagas, 30 para alimentos e, 32, para eletroeletrônica.


Do G1 Bauru e Marília

Nomes foram marcados por ordem de chegada (Foto: Reprodução/TV TEM)Nomes foram marcados por ordem de chegada (Foto: Reprodução/TV TEM)

Várias famílias passaram à noite em uma fila em para tentar uma das 62 vagas oferecidas em cursos técnicos do Senai, em Marília(SP). Pais reclamaram da falta de distribuição de senhas. O ensino gratuito é voltado para estudantes da rede estadual da cidade. 
A Secretaria de Educação optou pela inscrição por ordem de chegada. Mas às 18h de sexta-feira (29), a lista da fila organizada pelos próprios candidatos já estava quase preenchida. São 30 vagas para o curso técnico em alimentos e, 32, para eletroeletrônica.
Várias pessoas chegaram no início da noite e enfrentaram a madrugada ao relento. Entre elas, Alice Mesquita, de 69 anos, que esperava sair com a vaga garantida para o neto, que cursa o ensino médio. “Fica um confusão muito grande. Um marca outro marca. Ainda teve um senhor que quis brigar. Acho que tinha que se bem mais organizado”, contou a aposentado, Alice Mesquita.
A dona de casa Sueli Silva passou várias horas no chão do pátio da Diretoria Regional de Ensino. Tudo para conseguir uma vaga no curso técnico de eletroeletrônica para o filho de 15 anos. “A gente tem que acompanhar o filho. É para ajudar e, por isso, a gente vem junto”, disse.
O candidato Paulo Henrique Camacho também resolveu passar a madrugada na fila para garantir uma das vagas. Mas ele acha que a forma de inscrição escolhida não foi adequada. “Gostaria que fosse por processo seletivo e conforme sua pontuação você entrava no curso”.
A auxiliar de enfermagem, Simone Fernandes, também não concorda com o processo feito pela Secretaria de Educação do Estado. Como não tem condições de pagar um curso técnico para o filho de 16 anos, mesmo exausta depois de sair do trabalho, encarrou várias horas na fila. “Poderia até ser mais organizado. São poucas vagas para muitos jovens. Então, tem que ficar na fila se quiser conseguir uma vaga”, avisou.
Candidatos, pais e avós viraram a madrugada no prédio da Diretoria de Ensino (Foto: Reprodução/TV TEM)Candidatos, pais e avós viraram a madrugada no prédio da Diretoria de Ensino (Foto: Reprodução/TV TEM)
Protesto na Ucrânia (AP)
Polícia reprimiu manifestação em Kiev; manifestantes criticavam decisão do governo sobre a UE
Milhares de pessoas saíram às ruas de Kiev, capital da Ucrânia, para protestar contra a decisão do governo de se distanciar da integração com a União Europeia (UE).

Partidos de oposição vêm pedindo que as eleições sejam adiantadas, diante dos protestos crescentes no país. Os opositores afirmaram estar organizando uma greve geral para os próximos dias.Durante a madrugada deste sábado, a polícia reprimiu com vilolência uma demonstração, deixando dezenas de feridos e detidos. No entanto, horas depois, os manifestantes se reorganizaram e marcharam levando bandeiras e gritando contra viaturas policiais.
Outro grande protesto está programado para o domingo. A ex-premiê Yulia Tymoshenko, que está presa, pediu à população que derrube o atual governo."Não importa se for de avião, carro ou a pé. Mas sigam para Kiev e se reúnam em 1 de dezembro", disse.
A Ucrânia se recusou a assinar um acordom com a União Europeia, aparentemente por pressão do governo russo.
Após uma reunião na Lituânia, líderes europeus fizeram um alerta, dizendo que não será tolerada uma interferência russa nas relações do bloco com as ex-repúblicas soviéticas. No encontro, Geórgia e Moldávia fecharam acordos provisórios com a UE.

Irritação

O correspondente da BBC na cidade, David Stern, disse que o clima dos protestos segue relativamente pacífico, mas que há uma irritação crescente com o fato de o presidente Viktor Yanukovych ter rechaçado o acordo de associação com a Uniao Europeia nesta semana.
Protestos em Kiev (AFP)
Dezenas de manifestantes ficaram feridos durante o protesto; muitos também foram detidos
No entanto, segundo Stern, Yanukovych tem o apoio do setor industrial do leste do país, de onde ele é proveniente.
"Após a reação violenta da polícia nesta madrugada, os líderes do movimento pró-União Europeia agora precisam decidir se continuam com os protestos, agora que precisam lidar com o que certamente se tornará uma resistência mais dura do governo", disse Stern.
"Mas não são apenas os líderes políticos que têm uma decisão a tomar. Líderes do bloco europeu também precisam decidr agora qual o nível de envolvimento que eles querem com a Ucrânia, após o presidente ter repreendido violentamente um protestos pacífico."

'Sonho roubado'

A oposição acusa o presidente de roubar o sonho da Ucrânia de se aproximar da Europa.
Na semana passada, Yanykovych anunciou que estava suspendendo os preparativos para assinar o acordo com a UE, que iria abrir as fronteiras para produtos e reduzir as restrições de viagens.
Ele disse que a pressão da Rússia o levou a tomar essa decisão e alegou que a Ucrânia não poderia colocar em risco suas negociações e negócios com os russos. Moscou é contra a entrada da Ucrânia no bloco.
O presidento do Conselho da UE, Herman Van Rompuy, disse que eles estavam "muito perto" de assinar o acordo com o governo ucraniano, e acrescentou: "Precisamos superar as pressões externas."
Fonte BBC Brasil
Segundo o jornal, foram 4.557 pessoas entrevistadas em 194 municípios na quinta e na sexta-feira. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos
30/11/13, 17:58
P
esquisa Datafolha divulgada neste sábado pela Folha de S.Paulo mostra um avanço da presidente Dilma Rousseff frente a seus adversários de oposição. Além dela, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também lidera todos os cenários em que aparece como candidato.
Segundo a pesquisa, Dilma pontua 47% contra 19% de Aécio Neves (PSDB) e 11% de Eduardo Campos (PSB). Em outubro, ela tinha 42% contra 21% e 15% de Aécio e Campos, respectivamente. O percentual de eleitores que vota em branco, nulo ou indeciso continua em 23% desde outubro.
Em outra simulação, a petista teria 41% contra 24% de Marina Silva (PSB) e 19% de José Serra (PSDB). Em outubro, os possíveis candidatos tinham, respectivamente, 37%, 28% e 20%.
 
O presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, aparece em um dos cenários. Ele tem 15% das intenções de voto, contra 44% de Dilma, 14% de Aécio e 9% de Campos.
Lula oscila entre de 52% a 56% nas intenções de voto em quatro cenários em que aparece - ou seja, venceria em primeiro turno em todos.
Segundo o jornal, foram 4.557 pessoas entrevistadas em 194 municípios na quinta e na sexta-feira. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.
 
Fonte: JL/Terra

Diesel sobe 8%; Petrobras anunciou o reajustes nas refinarias nesta sexta-feira

iG São Paulo
Agência Petrobras
Produção de petróleo no sertão da Bahia
A gasolina vai subir 4% nas refinarias a partir da meia noite deste sábado (30), informou a Petrobras. O diesel será reajustado em 8%. 
Os aumentos fazem parte de uma política que visa a tornar os preços dos combustíveis no Brasil mais parecidos com os praticados no exterior, informou a companhia em comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na tarde desta sexta-feira (29). Ao mesmo tempo, entretanto, a política buscará "não repassar a volatilidade dos preços internacionais ao consumidor doméstico."
Os reajustes eram esperados, vinham sendo debatidos ao longo da semana e impulsionaram os papéis da Petrobras nesta sexta-feira (29). As ações ordinárias da companhia subiram 3,78% e as preferenciais, 2,52%, num pregão em que o Ibovespa fechou em 1,23%.
De acordo com o comunicado, a política de reajuste de preços tem por objetivo "assegurar que os indicadores indicadores de endividamento e alavancagem retornem aos limites estabelecidos no Plano de Negócios e Gestão 2013-2017".
A indefinição sobre reajustes vinha causando prejuízos à Petrobras. Nos 12 meses encerrados em outubro, as ações ordinárias da companhia haviam recuado 14,7% e as preferenciais, 26,2%.
Aguarde mais informações
Um incêndio atingiu na tarde desta sexta-feira o Memorial da América Latina, na avenida Auro Soares de Moura Andrade, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Segundo o Corpo de Bombeiros, sete homens da corporação que combatiam o fogo foram socorridos ao Hospital das Clínicas. Dois deles ficaram gravemente feridos e foram internados inconscientes e com queimaduras nas vias aéreas.
As chamas começaram por volta das 15h. Havia muita fumaça no local. Segundo o Corpo de Bombeiros, 55 viaturas foram enviadas ao local, além de um helicóptero. No total, 88 homens atuaram diretamente no combate às chamas. 
Incêndio atingiu o Memorial da América Latina
Incêndio atingiu o Memorial da América Latina
De acordo com o major da Polícia Militar Mauro Robson, os bombeiros que ficaram feridos foram vitimados por um fenômeno chamado flashover. "Tivemos o flashover, que, por vezes dá para se prever, mas nesse caso não foi possível. Ele acontece quando você tem um ambiente pegando fogo, pouco oxigênio, calor e carga para se queimar, então a queima é lenta lá dentro. Quando você abre esse ambiente, há a entrada de mais oxigênio, então há o flashover", disse.
Segundo o major, por volta das 18h, os homens do Corpo de Bombeiros já haviam ocupado todo o interior do prédio e o fogo já estava sendo controlado. Porém, o rescaldo ainda levaria mais tempo.
De acordo com a assessoria de imprensa do Memorial da América Latina, o fogo foi causado por um curto-circuito do Auditório Simón Bolívar. Grande parte do forro da plateia B do auditório teria sido comprometida. 
Uma testemunha afirmou que faltou energia elétrica na região no início da tarde e que, assim que o abastecimento voltou, uma explosão foi ouvida dentro do memorial. O espaço tem capacidade para 1,8 mil pessoas.
O conjunto arquitetônico, projetado por Oscar Niemeyer em uma área de 84,5 mil metros quadrados, foi inaugurado em março de 1989. O complexo se dedica a manifestações artísticas e científicas ligadas à identidade latino-americana. O conceito e o projeto cultural foram desenvolvidos pelo antropólogo Darcy Ribeiro.
A Companhia de Engenharia de Tráfego pede aos motoristas que evitem trafegar pela região. O cruzamento da avenida Senador Auro Soares de Moura Andrade com a alameda Olga está bloqueado. O desvio para quem vai no sentido Lapa é feito pela alameda Olga, rua Tagipuru e avenida Francisco Matarazzo. As linhas de metrô e trem da Estação Barra Funda, vizinha ao memorial, operam normalmente.
Fonte Terra.
Cade adia para 2014 processo contra empresas de cartel
Foto divulgaçãoClique para ampliar a imagem
O processo contra as empresas que a Siemens acusa de participar de cartel no mercado de trens vai ficar para o ano que vem, quando ocorrem as eleições para governador e presidente, o que deve aumentar ainda mais a exploração política da investigação por PT e PSDB.

O adiamento do processo para 2014 será necessário porque o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão do governo federal que atua na defesa da concorrência, não conseguiu finalizar a análise do material apreendido em 13 empresas no último dia 4 de julho.



O material encontrado foi digitalizado e ocupa arquivos de 30 Tbytes (abreviação de terabytes, unidade de medida de memória que equivale a 1 trilhão de bytes).

É um arquivo tão grande que, com os mesmos 30 Tbytes, seria possível armazenar 20 mil filmes em alta definição ou 12 milhões de exemplares de "Guerra e Paz", do escritor russo Liev Tolstói (1828-1910), com suas 1.400 páginas. É um dos maiores volumes já apreendidos na história do Cade, órgão criado há 51 anos.

DELAÇÃO
A busca teve origem no acordo de leniência que a Siemens assinou com o Cade em maio deste ano, conforme revelou a Folha.

Em troca de uma punição menor, a multinacional alemã acusa empresas de conluio nas licitações do Metrô e da CPTM (Companhia Paulista deTrens Metropolitanos) em São Paulo e no metrô do Distrito Federal. O objetivo das empresas com a divisão era elevar seus ganhos.

A busca foi feita em gigantes que atuam no mercado global de trens, como a Alstom, Bombardier e Mitsui.

O Cade não revela o número de funcionários envolvidos na análise dos papéis, mas a Folha apurou que são menos de dez funcionários.

A justificativa para o pequeno número de analistas é que questões concorrenciais exigem sigilo e que esse tipo de trabalho é feito por grupos pequenos em órgãos desse gênero no mundo todo.

O prazo original para a abertura do processo encerrou-se na última sexta-feira. O órgão pediu uma prorrogação de mais 60 dias.

Após a análise, o Cade deverá abrir processo contra as empresas e permitir que elas apresentem suas defesas.

O processo pode resultar em multas bilionárias se ficar comprovado que as empresas dividiam o mercado.

Polícia Federal e os Ministérios Públicos estadual e federal também investigam o cartel, bem como a suspeita de pagamento de propina.

CASO SIEMENS
O consultor Arthur Teixeira disse em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo" que nunca pagou propina a políticos do PSDB nem de outros partidos. Ele disse ainda que o ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer, a quem se atribui as denúncias, é "uma pessoa vingativa".



Fonte: UOL Notícias

Vítima se assustou e efetuou dois disparos contra os policiais. 
Aposentado acabou preso por lesão corporal e disparo de arma de fogo.

Do G1 Bauru e Marília

Tiro atingiu o celular que estava no bolso do policial  (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)Tiro atingiu o celular que estava no bolso do policial (Foto: Divulgação/ Polícia Civil)
Um idoso de 77 anos foi detido depois de disparar acidentalmente contra policiais militares na madrugada desta quinta-feira (28), em Jaú (SP). De acordo com informações da PM, a ocorrência começou quando um rapaz de 38 anos furtou uma loja, entrou pelo telhado do estabelecimento e na fuga acabou entrando no quintal de uma residência que ficava nos fundos, onde mora o idoso.
Um vizinho percebeu a movimentação e chamou a polícia. Quando uma equipe chegou, o morador se assustou e disparou dois tiros na direção dos policiais ao achar que o criminoso teria acordado. Um dos disparos atingiu o celular que estava no bolso da calça de um PM. 
Ainda segundo a polícia, o suspeito havia acabado de furtar uma bateria de uma loja de peças automotivas no centro de Jaú. Apesar de ter caído de uma altura de quase 10 metros, ele foi levado ao Pronto-Socorro com ferimentos leves. Também foram levados ao PS o morador da casa invadida, que passou mal, e o policial militar atingido na perna. Todos passam bem. 
O ladrão encontrado no quintal do idoso foi preso em flagrante e irá responder por furto. Já o aposentado foi autuado também flagrante por lesão corporal e disparo de arma de fogo. Como a arma que ele usou não estava documentada, o delegado responsável não estipulou fiança. O aposentado e o suspeito foram encaminhados para a cadeia de Barra Bonita (SP)
.
Empresário de Shane Del Rosario revelou que atleta foi internado na última terça-feira

Do R7
Shane Del Rosario sofreu uma parada cardíaca aos 30 anosDivulgação
O peso-pesado do UFC Shane Del Rosario, que teria um confronto contra o brasileiro Guto Inocente em dezembro, sofreu um ataque cardíaco e foi internado nos EUA na última terça-feira (26), de acordo com o seu empresário Jason House.

Através de sua conta no Twitter, o manager revelou que o lutador de 30 anos passou mal em casa e foi levado ao hospital, onde precisou ser reanimado pela equipe médica que o atendeu.

— O Shane teve uma colapso cardiovascular quando estava em sua casa de manhã. Ele foi trazido ao hospital com parada cardíaca e foi reanimado na sala de emergência. Agora ele está na unidade para pacientes em estado grave.

Com 11 vitórias e duas derrotas no cartel, Rosário chegou ao UFC invicto e como uma promessa da divisão mais nobre do MMA. Dias antes de sofrer o ataque cardíaco, o atleta viu sua participação no UFC 168 ser cancelada.

Parlamentar mineiro usava parte de verba indenizatória em combustível.
Deputado Rogério Correia pediu sindicância para apurar caso.


Do G1 MG

Helicóptero apreendido no Espírito Santo é de empresa da família do senador Zezé Perrella (Foto: Reprodução/TV Gazeta)Helicóptero apreendido no Espírito Santo é de
empresa da família do senador Zezé Perrella
(Foto: Reprodução/TV Gazeta)
A Assembleia Legislativa de Minas Gerais(ALMG) reembolsa, por meio da verba indenizatória, o combustível do helicóptero da empresa Limeira Agropecuária, de propriedade do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD). A informação está no Portal de Transparência da ALMG e foi confirmada pelo advogado da família, Antônio Castro, nesta quinta-feira (28).
Castro afirmou que o deputado usava a aeronave, em 90% das vezes, para o trabalho político. Os outros 10%, conforme o advogado explicou, eram para uso familiar e de lazer, e pagos particularmente. O advogado não falou sobre os destinos usados.
Entre janeiro e outubro deste ano, o parlamentar gastou R$ 14.078,31 com querosene para avião. Apenas nos meses de fevereiro e abril é que não foram feitos abastecimentos com a verba pública. Nos meses de junho e setembro, o deputado gastou cerca de R$ 3,5 mil, em cada mês, em combustível para o helicóptero.
Ainda segundo a ALMG, cada deputado estadual recebe, por mês, uma verba indenizatória de R$ 20 mil, sendo deste total R$ 5 mil destinado para gastos com combustíveis.
O correto, segundo a ALMG, seria que o dinheiro fosse direcionado para o transporte do deputado em helicóptero particular ou alugado, no cumprimento de atividades parlamentares.Por causa das denúncias, o deputado estadual Rogério Correia (PT) disse, nesta quinta-feira, que pedirá à Comissão de Ética da Assembleia que investigue por que a verba indenizatória, para gastos com combustíveis, estava sendo usada para abastecer a aeronave de uma empresa privada.
De acordo com a norma da Casa 2.446 de 2009, os deputados são obrigados a entregar a nota fiscal com o valor gasto no abastecimento de transporte. Mas, não obriga a apresentação de um relatório indicando o dia, o local e a finalidade do uso do combustível. Cabe ao político, apenas, assinar um documento anexado aos recibos confirmando que todos os gastos foram feitos para o cumprimento de agenda política.
Piloto preso com cocaína no helicóptero no Espírito Santo (Foto: Reprodução TV Globo)Piloto preso com cocaína no helicóptero no ES
(Foto: Reprodução TV Globo)
Piloto ajudou a descarregar aeronave
O piloto Rogério Almeida Antunes, preso no Espírito Santo por conduzir um helicóptero com mais de 400 quilos de cocaína, admitiu em depoimento prestado à Polícia Federal que ajudou a descarregar a droga da aeronave. Antunes era contratado por uma empresa de propriedade do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG) e funcionário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Depois da prisão, ele foi demitido da empresa do parlamentar e exonerado do Legislativo mineiro.

Deputado Gustavo Perrella (Foto: Reprodução/TV Globo)Deputado Gustavo Perrella (SDD)
(Foto: Reprodução/TV Globo)
Deputado é convocado a depor
A Polícia Federal no Espírito Santo expediu, nesta quarta-feira (27), carta precatória convocando a presença do deputado de Minas Gerais Gustavo Perrella e dos outros dois sócios da empresa dele, para prestar esclarecimentos sobre os mais de 400 quilos de cocaína que foram encontrados em uma aeronave da família, no estado capixaba.
De acordo com o delegado da PF Leonardo Damasceno, o pedido é para que o deputado e a irmã, Carolina Perrella,  sejam ouvidos como testemunhas, em Belo Horizonte. O terceiro sócio, André Almeida, deverá ser ouvido, em Divinópolis, no Centro-Oeste mineiro.

Defesa diz que deputado mentiu
A defesa do piloto afirma que Perella mentiu sobre a autorização para o voo. Segundo o advogado Nicácio Tiradentes, o deputado tinha conhecimento do frete, mas não do material transportado. Em coletiva na segunda-feira (25), Gustavo Perrella afirmou que o funcionário não tinha autorização para fazer o voo, e que a aeronave estaria em revisão no período.


Resolução do TSE alterava a quantidade de deputados federais de 13 estados; Alagoas perderia um deputado


Foto: Agência Câmara
Câmara Federal
Câmara Federal
A Câmara dos Deputados decidiu nesta quarta-feira (27), por 230 votos a favor, 60 contra e 8 abstenções, anular resolução do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que altera a quantidade de deputados federais de 13 estados nas eleições de 2014.  Como já foi aprovada pelo Senado, o projeto de decreto legislativo será agora promulgado pelo Congresso Nacional.
Em abril, o TSE decidiu alterar o número de deputados na Câmara com base nos dados do Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pela resolução, os estados de Alagoas, Espírito Santo, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul perderiam um deputado cada. Paraíba e Piauí perderiam duas cadeiras.
Por outro lado, alguns estados seriam favorecidos: Amazonas e Santa Catarina ganhariam um deputado; Ceará e Minas Gerais passariam a ter mais dois. O Pará seria o maior beneficiado, passando de 17 cadeiras para 21. O estado de São Paulo continuaria com 70 cadeiras.
A última alteração nas bancadas, que estabeleceu o total de 513 cadeiras, foi feita em 1993. A decisão do TSE também teria impacto nas assembleias legislativas e na Câmara Legislativa do Distrito Federal.
Deputados dos oito estados que perderiam posições na Câmara lideraram movimento para derrubar a resolução.
Para o deputado Inocêncio Oliveira (PR-PE), a decisão o TSE invadiu a competência do Legislativo ao emitir a resolução.
“Essa recontagem só pode ser feita por lei. Quem pode aumentar ou diminuir o tamanho das bancadas é o Legislativo”, disse.
Já deputados que se beneficiariam com a decisão da Justiça Eleitoral tentaram impedir a aprovação do projeto.
“É legítimo o que o TSE decidiu. Cinco estados tiveram crescimento populacional, e nossas bancadas estão muito aquém do tamanho”, disse o líder do PDT, André Figueiredo (CE).
G1
Em entrevista a rádio, Cardozo falou sobre acusação de adulteração de documentos

Agência Estado
Ministro diz que lamenta atitude do PSDBAntonio Cruz/19.09.2013/ABr
O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse lamentar a tentativa do PSDB de transformar em disputa política a investigação sobre as denúncias de cartel de trens no governo de São Paulo.

Em entrevista à Rádio Estadão na manhã desta quarta-feira (27), Cardozo qualificou como 'risível' a queixa de lideranças do partido de que parte da documentação sobre o caso tenha sido adulterada.

Na tarde dessa terça-feira (26), o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, acompanhado de outras lideranças da sigla, chegou a pedir a demissão do ministro.
O partido questiona o fato de o ministro ter encaminhado as denúncias à Polícia Federal após recebê-las do deputado licenciado Simão Pedro (PT). O parlamentar foi acusado pelos tucanos de ter adulterado o conteúdo de uma carta enviada à Siemens em 2008. O texto continha as denúncias de formação de cartel entre multinacionais e pagamento de propinas para obtenção de contratos com o governo paulista.
Cardozo lamenta a tentativa de confindir a opinião pública.

— Há outras partes, eu diria, mais substantivas do ponto de vista informativo, que estavam nesse documento. Pode parecer, ao meu ver, algo até risível. Você recebe um amplo material de investigação, alguém, sem saber quem mandou oficialmente, diz que houve adulteração. Se não se sabe quem mandou, como é que pode adulterar? É uma tentativa de fazer uma confusão para a opinião publica, que eu lamento.

A carta, enviada na época ao ombudsman da Siemens sem assinatura, é de autoria de um ex-diretor da multinacional. Ela foi escrita em inglês. Uma versão em português foi anexada ao relatório em que o ex-diretor cita o esquema de corrupção e envolve o PSDB.
Para o ministro, independente do documento, tudo será investigado.

— Vamos ser sinceros. Isso faz parte da investigação. Se é um documento ou outro, se é uma tradução. Isso vai ser investigado.

O ministro reagiu mais uma vez às críticas do PSDB de que o PT pretende usar o caso para abafar o mensalão.

— Lamento isso. Acho que os nervos de algumas pessoas estão à flor da pele. E quando não se quer que uma investigação siga seu rumo normal, se quer transformar tudo numa disputa política. A Polícia Federal cumprirá seu papel.
José Eduardo Cardozo encaminhou à PF documento que envolve tucanos no escândalo dos trens

Tucanos acusam Cardozo de usar denúncias para ataque políticoEd Ferreira/26.11/2013/Estadão Conteúdo
O PSDB convocou uma entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (26) para anunciar que está tomando providências para rebater as denúncias que envolvem dirigentes tucanos nas suspeitas de corrupção na compra e manutenção de trens em São Paulo.

A primeira delas, anunciada pelo senador Aécio Neves, presidente da legenda e provável candidato do PSDB à presidência, foi pedir a demissão do ministro da Justiça José Eduardo Cardozo.
— Ele perdeu as condições de ser o coordenador dessas investigações como ministro da Justiça, pelo açodamento e omissão nesse processo. O PT faz um mal enorme para a democracia, ao fazer do poder sua razão de existir.

Cardozo encaminhou à PF (Polícia Federal) um documento no qual o ex-diretor da multinacional alemã Siemens, Everton Rheinheimerum, cita como destinatários de propina no esquema do certel o chefe da Casa Civil do governao de São Paulo, Edson Aparecido, e o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS).

O documento, que consta do inquérito que apura o escândalo dos trens, também cita outros políticos, como o líder do PSDB no Senado, Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), como próximos do lobista Arthur Teixeira, suspeito de intermediar as propinas pagas pelas empresas do cartel. Os tucanos negam a participação em qualquer ato ilícito.
O PSDB comparara o episódio atual ao Escândalo dos Aloprados, no qual petistas tentaram, durante as eleições de 2006, comprar um dossiê que acusava membros do partido de participar da máfia dos sanguessugas. A intenção seria minar a candidatura de José Serra (PSDB) ao governo de São Paulo.

Além de encaminhar representação à Comissão de Ética Pública da Presidência da República contra Cardozo, o PSDB também tentará convocar o ministro lpara depor na Câmara e no Senado, além de entrar com uma ação no MPF (Ministério Público Federal) por improbidade administrativa.

O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, também citado na denúncia feita por Rheinheimerum, acusou o ministro da Justiça de usar politicamente o processo de investigações sobre o cartel.
— [Tudo isso tem o objetivo] para tentar aquilo que é o cerne da ação petista, que é a alucinada com relação ao poder, que é jogar lama, jogar mentira, jogar podridão em cima dos adversários. Ou a presidente [Dilma Rousseff] demite o ministro, ou ela é cúmplice desse Dossiê Aloprado 2.
Para Aníbal, o ministro da Justiça atuou como um “operador partidário".
— Ele deixou de ter a postura do magistrado, do ministro que tem preferência sobre todos os demais, que é o ministro da Justiça, e passou a agir como um operador do submundo, que o PT faz com muita freqüência.
Filippo Cecilio, do R7

Segundo os bombeiros, 50 crianças ensaiavam no momento das chamas. 
Fogo foi apagado pelos próprios funcionários da Secretaria de Cultura.


Do G1 Bauru e Marília

A polícia investiga as causas de um incêndio que atingiu o Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, na segunda-feira (25), em Botucatu (SP). De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, pelo menos 50 crianças ensaiavam no local quando as chamas começaram. O fogo atingiu as cortinas no palco do teatro. Apesar dos estragos, ninguém ficou ferido.
As marcas dos pés no chão e a sujeira dos extintores dão uma dimensão do susto.  Segundo os bombeiros, foram os próprios funcionários do teatro que apagaram as chamas e retiraram as crianças às pressas do local. Ainda não se sabe o que causou o fogo.
Funcionários usaram os extintores do teatro para apagar o fogo (Foto: reprodução/TV Tem)Funcionários usaram os extintores do teatro para
apagar o fogo (Foto: reprodução/TV Tem)
"Foi uma cortina que pegou fogo e realmente assusta. Fogo e um palco de madeira, em um espaço fechado, teve muita fumaça. Agora a gente quer ter a certeza que o problema parou aí e que nada vai acontecer” ressalta Daniel Santos, administrador do Teatro Municipal.
Houve dificuldades também na saída. Crianças e funcionários não conseguiram usar uma das portas e os hidrantes estavam desligados, por isso usaram os extintores com pó químico. A perícia esteve no local e vai apurar as causas do incêndio. Por enquanto a hipótese é de curto circuito na rede elétrica ou algum refletor pode ter esquentado demais as cortinas.
Isso porque ela é feita de um material especial, mais difícil de pegar fogo, justamente por estar exposto à luz e a altas temperaturas. Se fosse comum, os danos seriam bem maiores. “Isso foi um aviso. O teatro é um espaço delicado temos uma série de cortinas e é sempre bom estarmos de olho. E é isso que vamos ver agora. Qualquer uma pode pegar fogo que foi o que aconteceu ontem, a gente está investigando para tentar ver o que aconteceu”, completa Daniel.
Fogo atingiu cortinas do palco do Teatro Municipal  (Foto: reprodução/TV Tem)Fogo atingiu cortinas do palco do Teatro Municipal (Foto: reprodução/TV Tem)
No chão do teatro é possível ver as pegadas das crianças, tiradas às pressas (Foto: reprodução/TV Tem)No chão do teatro é possível ver as pegadas das crianças, tiradas às pressas (Foto: reprodução/TV Tem)

Relatório produzido por ex-diretor da Siemens entregue à PF diz que cartel atuou em licitações que envolvem R$ 2,2 bilhões em São Paulo


O documento produzido pelo ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer e entregue à Polícia Federal em junho afirma que houve formação de cartel em mais quatro contratos firmados pela empresa com o governo de São Paulo. Em maio, a multinacional alemã já tinha apontado ilegalidades em outros cinco na autodenúncia feita ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).
Os quatro contratos, para reforma dos trens das Linhas 1 e 3 do Metrô, ainda estão vigentes.
A Polícia Federal e o Ministério Público apuram se o cartel, que segundo a Siemens durou de 1998 a 2008, atuou para além do que alega a própria empresa.
Rheinheimer é um dos seis executivos da multinacional que assinaram o acordo de leniência com o Cade. Ele trabalhou por 22 anos na empresa alemã, que deixou em 2007, quando ocupava o cargo de diretor da divisão de transportes.
Os contratos citados por ele no relatório hoje anexado a um inquérito da Polícia Federal somam R$ 2,2 bilhões em valores corrigidos. Eles foram celebrados em 2008 e 2009, durante o governo José Serra (PSDB), e têm duração de 68 meses.
Além da Siemens, as empresas Alstom, Iesa, Bombardier, Tejofran, Temoinsa, T'Trans e MPE foram contratadas para reformar 98 trens das linhas 1 e 3 do Metrô. Eram quatro consórcios, e cada um ficou com um lote - houve uma única proposta por lote.
Rheinheimer escreveu ter sido informado sobre a presença do cartel nesses contratos por Ronaldo Moriyama, ex-sócio da MGE Transportes, empresa suspeita de ser uma das rotas da propina paga pela Siemens. Segundo investigadores, a multinacional subcontratava a MGE, que sacava a propina em dinheiro em valores sempre abaixo de R$ 10 mil.
"Segundo informações do Ronaldo Moriyama, ex-diretor e ex-sócio da MGE, empresa subcontratada pelo Siemens para executar parte da reforma dos trens, houve formação de cartel neste projeto", escreveu Rheinheimer no documento em posse da Polícia Federal que agora ele afirma ser "anônimo".
Segundo o ex-diretor, "a participação da MGE no projeto tem, obviamente, um único propósito: viabilizar o pagamento de propina ao pessoal do Metrô, já que as novas regras de compliance adotadas pela Siemens após o escândalo de corrupção não permitem mais o pagamento direto pela própria empresa, como foi o caso da Linha 5 do Metrô".
O executivo ainda afirmou que "a Siemens não precisa da MGE para executar os serviços, pois dispõe de uma oficina específica para esta finalidade no interior". "A Siemens não iria abrir mão de faturamento sem nenhuma razão. É óbvio que houve um motivo mais forte para a subcontratação da MGE."
Competição baixa. O Tribunal de Contas do Estado, que ainda não terminou de analisar os contratos, em sua única avaliação até o momento afirmou que "não se verificou grande competitividade" na concorrência. "Não houve propriamente uma disputa licitatória, mas uma atividade de consorciamento", sustentou em 2010 o então conselheiro Eduardo Bittencourt, hoje aposentado. Ele voltaria a fazer os mesmos reparos em 2011, após as partes apresentarem suas razões.
O conselheiro Dimas Ramalho, que herdou o caso, oficiou autoridades públicas para se manifestarem sobre as concorrências.
Em despacho, ele disse haver "possibilidade de ocorrência de suposta fraude no caráter competitivo dessas licitações dado que as licitantes estão sendo investigadas em decorrência de acordo de leniência celebrado com o Cade".
Fausto Macedo, Fernando Gallo e Ricardo Chapola - O Estado de S.Paulo
Mohsen Asgari
Da BBC em Teerã

Iranianos foram para o aeroporto com fotos do presidente Hassan Rouhani (AP)
Iranianos foram para o aeroporto com fotos do presidente Hassan Rouhani
O chanceler do Irã, Mohammad Javad Zarif, encarregado de negociar o acordo com as potências internacionais para que o governo iraniano contenha o seu programa nuclear em troca de um alívio nas sanções contra o país, foi recebido como herói por uma multidão em Teerã.
Centenas de pessoas levando flores e bandeiras foram até o aeroporto Mehrabad, na capital, para receber o chanceler, que eles chamaram de "embaixador da paz". A multidão também entoou frases como "Não à guerra, sanções, rendição e insultos".

"Todas as medidas que tomaremos, medidas de confiança, poderão ser revertidas rapidamente. Claro, esperamos não precisar fazer isto", disse.Em uma entrevista à televisão estatal iraniana ainda no aeroporto, Zarif afirmou que o Irã está preparado para tomar as medidas necessárias para manter o acordo. Mas acrescentou que o acordo interino válido por seis meses pode ser suspenso pelo governo do Irã a qualquer momento.
O acordo, conseguido após quatro dias de negociações em Genebra, na Suíça, prevê que o Irã permita o acesso de inspetores nucleares ao país e suspenda parte de seu programa de enriquecimento de urânio.
Em troca, parte das sanções adotadas contra o país ao longo dos últimos anos serão suspensas, permitindo um alívio estimado em US$ 7 bilhões ao Irã.
As negociações em Genebra tiveram a participação dos chanceleres do Irã e do grupo P5+1, formado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Rússia, China e Grã-Bretanha) mais a Alemanha.

'Momento decisivo'

De acordo com o repórter da BBC em Teerã Mohsen Asgari, os iranianos tiveram um domingo diferente, marcado pela notícia do fechamento do acordo na madrugada do dia.
Muitos jornais publicaram segundas edições com a notícia e, em quase todos os jornais partidários do governo as manchetes eram "Grande Acordo em Genebra".
Muitos iranianos ficaram sabendo do acordo pela televisão e pelo rádio e, para muitos deles, o principal efeito será o alívio econômico com o fim das sanções.
"Fico feliz pelos nossos filhos, pela próxima geração", disse Mohammad, de 54 anos, em Teerã. "De agora em diante, tenho certeza de que eles poderão lidar com nossos problemas econômicos. Por isso estou feliz pelos meus filhos, que poderão viver em uma situação melhor."
"O acordo nuclear em Genebra é um momento decisivo na história da República Islâmica do Irã", afirmou Sadeq Ziba Kalam, um professor universitário próximo do presidente iraniano Hassan Rouhani.
A bolsa de valores de Teerã também reagiu de maneira positiva ao acordo nesta segunda-feira. A moeda do país, o rial iraniano, se valorizou frente ao dólar, e ações de indústrias que foram atingidas pelas sanções nos últimos anos, como a petroquímica e a automobilística, subiram.
O acordo fechado em Genebra com o Irã, que é o quarto produtor de petróleo do mundo, também levou a uma queda dos preços do produto nos mercados asiáticos nesta segunda-feira. O barril do petróleo cru Brent caiu mais de 2%.
Apesar de o Irã não ter permissão para aumentar as vendas do petróleo durante seis meses, analistas afirmam que o acordo é visto pelos mercados como uma redução dos riscos no Oriente Médio.
Um trem da empresa América Latina Logística (ALL) carregado com milho descarrilou no domingo e atingiu quatro casas em São José do Rio Preto, deixando oito mortos, informou a Defesa Civil do Estado de São Paulo.
Trem carregado com milho descarrila e mata quatro pessoas em Rio Preto
De acordo com informações da Polícia Civil, nove vagões descarrilaram e alguns atingiram as residências, soterrando as vítimas com parte da carga de milho e escombros. Outras oito pessoas ficaram feridas no acidente.
Em decorrência do acidente, a linha férrea (exclusiva de carga) foi interditada, assim como o fornecimento de energia elétrica.
Trem descarrila em Rio Preto (Foto: Marcos Lavezo/G1)
Trem está carregado com carga de milho (Foto: Marcos Lavezo/G1)

De acordo com a Defesa Civil, citando informações da Polícia Civil, será instaurado inquérito para averiguar as causas do acidente, que até o momento, são desconhecidas. Mais cedo, a Defesa Civil havia informado que peritos do Instituto de Criminalística acreditavam que uma junção de fatores tinha provocado o descarrilamento: falta de manutenção da via férrea e defeito nos freios em uma das composições.
A ALL informou em nota que o "trecho por onde trafegava o trem que descarrilou possui manutenção contínua e intensiva, estando em condições adequadas de segurança", e acrescentou que os órgãos responsáveis pela investigação consideram prematura qualquer conclusão.
Trem descarrila em Rio Preto (Foto: Marcos Lavezo/G1)
Causa do descarrilamento é desconhecida (Foto: Marcos Lavezo/G1)

Um representante da empresa no local do acidente disse à Reuters que a empresa está prestando auxílio às vítimas e seguindo as determinações dos bombeiros.
A empresa acrescentou que a composição transitava dentro dos limites de velocidade do trecho e prometeu investigar as causas do acidente por meio de sindicância.

(Por Pedro Fonseca)

Ultimas Notícias

Loading...